Fugindo da muvuca em Colônia e Cochem, na Alemanha

Durante a pandemia pesquisamos dezenas de opções mais seguras para uma paradinha nas férias de verão: aluguel de casa de campo, motorhome e cabanas individuais, onde seria possível cozinhar e dormir sem compartilhar espaços fechados com outros hóspedes. Algo pelas redondezas, que nos permitisse ir de carro. Ainda assim, tudo parecia lotado demais no verão da Europa, o que significa muita gente em todo lugar. Sem mais opções, decidimos de última hora nos refugiarmos numa vilinha na Alemanha. Depois de seis meses sem sair de casa (salvo idas esporádicas ao mercado ou aos parques do bairro) precisávamos de um refresco antes de encararmos mais uma temporada.

Assim decidimos sair de Amsterdam na Holanda, passando por Colônia na Alemanha para o almoço e seguindo para Cochem. Nos hospedamos numa vilinha idílica chamada Bad Bertrich. Planejávamos seguir até Trier, mas resolvemos ficar (fazia um calor inacreditável). Para quem quiser dar uma esticadinha, Luxemburgo fica só a 1 hora e meia de distância. Nosso trajeto todo levou em torno de 3 horas e meia de carro (377 km), retornando pela Bélgica.

Achei este roteiro super interessante para uma escapada rápida, com poucas horinhas separando cidades de contos de fada, mesclando Holanda, Alemanha, Luxemburgo e Bélgica, ao gosto do freguês.

Aqui uma idea do trajeto completo, com todas as opções. De Amsterdam até Cologne são 261 km, o trecho até Cochem é de 115 km e a menos de 100 km dali estão Trier ou Luxemburgo.

Esta viagem pode ser feita facilmente de trem ou ônibus, mas preferimos o carro pela questão da segurança durante a pandemia e pela possibilidade de múltiplas paradas e flexibilidade no roteiro.

Acho que foi uma boa, porque só o caminho até Cochem é uma atração à parte. As paisagens são lindas em todo o Vale do rio Mosel. Serras, muito verde, plantações e vinhedos. A paisagem muda drasticamente das planícies e canais da Holanda para as montanhas. De tirar o fôlego!

Colônia

Cologne ou em alemão Köln é um destino conhecidíssimo e super movimentado na Europa. Existem centenas de posts falando sobre as principais atrações da cidade, por isso não me estenderei aqui.

O que separamos como opções interessantes da cidade, considerando que viajávamos com duas crianças, de 5 e 2 anos, foi: a Catedral de Colônia, o centro antigo, o Museu do Chocolate, teleférico e o Zoo. Acabamos optando somente pelas atrações à céu aberto, com exceção da Catedral que era bastante ampla e estava bem vazia.

Cochem

A cidade parece cenográfica. Tudo lembra aqueles parques temáticos que recriam fachadas típicas, com direito a castelo no topo da montanha e um rio serpenteando toda a paisagem. Lindo demais!

O que separamos como mais interessante foi o Castelo, passeio de barco e de trem, que acabamos não fazendo por conta do calor. Outra coisa bacana é alugar uma bike e fazer um passeio às margens do rio, com direito a uns banhos furtivos nos trechos mais tranquilos.

Dica importante: leve dinheiro em espécie e não dependa de nada online para sua localização. A conexão com a Internet ali é bem ruim, por isso a maioria dos estabelecimentos não aceita cartão. Se estiver de motorhome é fundamental levar um GPS ou baixar os mapas antecipadamente.

Bad Bertrich

Nós ficamos hospedados nesta pequena vila, a cerca de 30 km de Cochem. O lugar é beeem tranquilo, com poucos turistas e quase nenhuma criança. Foi realmente uma experiência ver a reação das pessoas quando chegávamos com nossos dois troublemakers (hahaha). Acho que comprometemos um pouco a paz do local. Definitivamente não é um destino para crianças, mas nós sempre preferimos lugares menores às grandes redes de hotéis cheias de gente e atividades. E o objetivo aqui era realmente fugir da muvuca.

O hotel escolhido foi o Häcker’s Fürstenhof. Linda decoração, quartos bem confortáveis, comida deliciosa, staff atencioso (especialmente com as crianças), café da manhã espetacular, jardim maravilhoso e uma piscina interna com janelões para o jardim que foi a estrela da viagem, para alegria das crianças. Apesar de não ser “família”, gostamos dessa opção.

Mesmo um hotel não sendo nossa primeira opção, achamos que tudo foi bastante cuidadoso. O uso das máscaras era obrigatório nos lugares fechados, o café da manhã era servido pelos funcionários, escolhendo as opções atrás de uma parede de vidro. De forma geral as pessoas respeitavam as distâncias e fazíamos as refeições no jardim. A piscina era utilizada por no máximo 10 pessoas, mas ficamos sozinhos na maior parte das vezes.

Por ali também estão algumas de lojas e restaurantes. É interessante fazer reserva na alta temporada, porque são poucas opções.

Além dos passeios de bike, a região é também cercada por trilhas, com inclusive uma das rotas do Caminho de Santiago passando por ali. Muito legal para uma temporada mais “natureza”

No mapa abaixo estão todos os pontos marcados como opções interessantes no planejamento da viagem.

Gostou desse roteiro? Aproveite para conferir aqui outros destinos próximos para completar a viagem.