Sobre conhecer o Mundo

Quando você tinha 6 meses voou comigo para sua primeira viagem. Dá para dizer que a nossa família é viajante. Eu e seu pai adoramos e Deus nos permitiu conhecer muitos lugares. Tomamos a decisão de embarcar em mais esta justamente por acreditar que a pluralidade faria bem a vocês. 

Desejamos que cresçam sem fronteiras, entendendo que o mundo é grande, diverso, cheio de possibilidades, mas que desfrutá-lo é possível, questão de escolha. Queríamos muito que vocês não tivessem barreiras para os sonhos e que especialmente, respeitassem as diferenças.

Viver num mundo plural é saber que existem pessoas que pensam diferente de nós, e que por isso se vestem diferente, se penteiam diferente, tem outra fé, e tudo bem. Conhecer outras línguas é parte disso, e é uma maneira fantástica de conhecer outras culturas. Você é boa nisso. Nas nossas viagens, mesmo sem conhecer o idioma, inventava sua língua e saia conversando sem medo. Adoramos este espírito desbravador e confiante em você.

Mas se algo me apavora é que você esqueça de onde viemos. Nossas raízes. Espero poder te mostrar como é maravilhoso nosso lugar. Nossa casa é onde nossa família está, e ela está aqui.

Espero que ao crescer você conheça o mundo, mas especialmente o nosso mundo. O lugar onde você nasceu, sua língua materna, a casa dos seus avós, tios, primos e todos que te amam muito. Que tenha orgulho de falar que é brasileira.  Que voe alto mas que sempre retorne ao ninho.

 

Sempre que a lembrança enfraquecer quero te trazer de novo, para sentir o cheiro da nossa casa, o gosto das suas primeiras refeições e o nosso jeito leve de viver a vida. Que a cada retorno seu sorriso esteja mais colorido, mais cheio de experiências e de vontade de voltar.


Este texto faz parte da sessão Letters to my Brave Little Girl, onde falo pra ela o que não posso esquecer para que ela saiba que com fé e coragem poderá ser o que quiser.